Notícia

Um pouco da história do CBH Preto e Paraibuna

O Comitê da Bacia Hidrográfica dos afluentes mineiros dos Rios Preto e Paraibuna, também conhecido como PS1, surgiu em 29 de dezembro de 2005, pelo Decreto nº 44.199. A finalidade da criação do comitê, com base na Lei Federal nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997, é promover, no âmbito da gestão de recursos hídricos a viabilização técnica e econômico-financeira de programas de investimento e consolidação de políticas de estruturação urbana e regional, visando o desenvolvimento sustentável da Bacia dos Rios Preto e Paraibuna.

Quem compôs o cargo de presidente do CBH Preto e Paraibuna quando sua criação, em 2006, foi Willians Martins Coelho de Lima (2006-2008) junto com os diretores Vice- presidente: Cia. Municipal de Saneamento – CESAMA, Sr. Paulo Afonso Valverde Júnior, 1ª Secretaria Executiva: Colégio Politécnico Pio XII, Sr. Fabiano Diogo Ferreira e 2ª Secretaria Executiva: Policia Militar de Meio Ambiente - 27ª Cia. Especializada, Ten. João Bosco Veigo Ferri. Willians não deu continuidade no cargo, que foi assumido temporariamente por Noraldino Lúcio Dias Júnior (2007). Na sequência, Paulo Afonso Valverde Júnior assume como presidente em exercício em 14 de agosto de 2008, e é eleito no ano seguinte (2009) como Presidente do CBH Preto e Paraibuna, estendendo seu mandato até agosto de 2013, que é o prazo máximo de permanência de um mesmo membro no cargo.

Conforme o ex-presidente, a maior dificuldade que ele sentiu durante seu mandato para alcançar os objetivos do Comitê foi o pouco recurso financeiro repassado. "Vislumbramos que tal recurso na verdade deveria ser utilizado para alavancar outras fontes. Trabalhamos muito nesse sentido. Não posso dizer que alcançamos os nossos objetivos, porque de fato não alcançamos, mas posso afirmar que trabalhamos arduamente. Entendo que fizemos muito perante as poucas condições que tínhamos".

Desde o início, as atividades desenvolvidas pelo comitê tinham a preocupação de capacitar os conselheiros. "Como não havia recurso financeiro proveniente da cobrança pelo uso da água na parte mineira da bacia do [Rio] Paraíba do Sul focamos na capacitação do nosso grupo. Em todas as plenárias aconteciam palestras e ou relatos de experiência, por representantes do Instituo Mineiro de Gestão das Águas (IGAM), do Instituto Estadual de Florestas (IEF), da Polícia Ambiental, da Superintendência Regional de Meio Ambiente da Zona da Mata (SUPRAM ZM)", conta.

As temáticas apresentadas nessas reuniões eram diversificadas, porém todas relacionadas a recursos hídricos, educação ambiental, saneamento e meio ambiente. Em 23 de novembro 2006, a Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul (AGEVAP), pela deliberação normativa (DN) 001/2006, firmado entre a Agência e o IGAM, assume o papel importante de Entidade Equiparada à Agência de Bacia do Comitê dos Rios Preto e Paraibuna, para exercer a gestão dos recursos hídricos para melhoria das condições quantitativas e qualitativas da água, além do fortalecimento Institucional do Comitê.